A intencionalidade da vírgula

Texto: Ariana Alves Ilustração: Flávia Drago

Fogo lento

Abriram o portão, respira, escuta  O barulho aqui faz silêncio Se for pra ficar  Então entra devagar, sossega  Deixa a pressa com o vento   E se mordo impaciente  As frutas do jardim Já conheço o fim Um segundo de prazer  E de repente nada mais fica em mim    Aqui se tem a sorte   … Continue lendo Fogo lento

LVIV

Acordei as sete da manhã e não parei de me espantar com essa cidade. Cada passo é único e custa séculos de resistência e lutas. As fachadas duras explodem em vida e pelo menos dois mundos convergem nelas.  Pessoas parecem brotar do chão, são plantas de criatividade e fogo. Músicos de rua com seus violinos … Continue lendo LVIV

Cobras e gias

De tempos em quando me enfio nesta cova. Minha intenção é de coisa alguma. Apesar disso, absolutamente tudo acontece aqui. As paredes são pegajosas, próximas umas das outras, o chão faz com o que o teto vultoso se achate, embora eu não consiga tocá-lo. Qualquer encoberta neste lugar é desnecessária: roupa, sapato, pudor, mentira. Leva-se … Continue lendo Cobras e gias

Purgatório

Um fantasma anda pela rua à noite. Não está escuro na metrópole que nunca dorme e, no entanto, ninguém enxerga aquele vulto ectoplásmico de andar apressado e rosto distante. Para onde vai, não se sabe. Almas penadas não têm destino certo. Um entregador passa em uma bicicleta alugada. Depois mais outro e, enfim, um motoboy. … Continue lendo Purgatório