Vidas sitiadas

Maria termina de lavar a roupa que está no tanque, dá banho nas crianças, veste-as e penteia seus cabelos com cuidado.
Fiquem sentados aí e não amassem a roupa.
Minutos depois volta para o cômodo com a bolsa no ombro.
Vamos logo.
A mãe à frente e as crianças dois passos atrás, seguem todos para a feira da cidade com placas de “VENDESSE” penduradas no pescoço.

Alexandre organiza os acessórios da câmera espalhados pela cama estreita da pousada. Testa a nova lente, fotografando a mancha de mofo da parede. O toque indica que chegou mensagem da revista.
Boa sorte nos registros! Capricha que queremos você na capa da edição.
Olha-se no espelho, passa mais um pouco de cera no cabelo e experimenta os novos óculos de sol.
Material na mochila, segue para a feira da cidadezinha.

Rafaella acaba de acordar. Toma um banho morno e um café preto. Veste a saia de linho e a blusa de seda separadas no dia anterior; calça o salto; prende o cabelo num coque.
Mãe! Cadê minha chuteira, ouve o apelo.
Bom dia, meu filho. Já escovou os dentes?
Sim. Você viu minha chuteira?
Procurou no mesmo lugar de sempre?
Achei!
Não demora. Quero passar na feira antes de ir para o Fórum.
Quase pronto!

Maria chega à feira. Posiciona as crianças num lugar visível, perto da banca das batatas e espera. O suor escorre pelas têmporas.

Alexandre observa a paisagem árida no caminho. Tira algumas fotos da igreja que fiéis ornamentam para o dia do padroeiro.

Rafaella passa no posto para abastecer, leva o filho para o clube, checa se pegou os processos que deseja examinar no plantão e segue para a feira.

Um homem com calças manchadas aproxima-se de Maria.
Quanto quer pelos mais velhos?
O que o senhor tem para pagar?
Boa negociante. Pago duzentos por cabeça.

Pode ser.

Uma placa de “vende-se” escrito errado chama a atenção de Alexandre logo que chega à feira. Sorri, balança a cabeça e tira sua foto de capa.
Essa vai ser destaque, com certeza, sussurra para si mesmo. Pobre língua portuguesa.
Confere a foto no monitor: uma placa na mão de uma criança cabisbaixa, agarrada à perna da mãe.

Rafaella estaciona o carro de costas para a banca de batatas. Bate no vidro o guardador.
Doutora, aqui não pode estacionar.
E onde posso, então?
Lá em cima. Aqui a prefeitura não permite, atrapalha o comércio.

A prefeitura e suas leis eficientes. Retruca, dá ré no carro e liga para a assistente.
Oi, sou eu. Estou a caminho, desisti da feira. Prepara um café que hoje teremos bastante trabalho com os processos da Vara de Infância.

Guilherme Kramer

Anúncios

4 comentários sobre “Vidas sitiadas

  1. Abismada e encantada!!!!,O quase acontecimento na vida de várias pessoas que podem se coincidir, e não se encontram …. Um aperto em saber que um quase se muda tudo….

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s