Ato de contrição

Pai, Filho, Espírito Santo, Amém. Padre, estou com a consciência muito pesada: tenho pecado contra o meu filho – e já faz tempo. Sinto tanta vergonha. Escondo este sentimento ruim há muitas e muitas confissões. Sim, sim, eu sei, somente Deus pode me julgar – também tenho medo do olhar d’Ele. A verdade é que não aguento mais o meu menino. Difícil aceitar essa coisa dentro da gente, afinal, ser mãe é tudo. Deus permitiu que o milagre da vida acontecesse em mim e veja só como tenho agido. Ando tratando-o tão, mas tão mal. Só queria que andasse por suas próprias pernas, que se sustentasse. Estou velha. Qual a sua perspectiva de futuro? Olha, a vontade é dar as costas e deixá-lo se virar sozinho; mas se fizer isso, vai morrer à mingua. Vai sim, padre, ele é um fraco. Sem mim se desespera e não atina; não sabe fazer nada sozinho, é um incapaz, coitado. O que tenta, ou sai errado ou faz malfeito.  Preciso estar sempre fiscalizando. Já ensinei as tarefas domésticas mil vezes e não tem Cristo que o faça aprender direito. Aí perco a paciência e lhe digo coisas horríveis. Paspalho, idiota, bostão, disso tudo chamei-o só nesta semana. Não justifica, eu sei, mas são vinte e dois anos explicando as mesmas coisas e nada dele conseguir aprender. No banheiro é pior: brigo para colocar naquela cabeça: o lugar do xixi é dentro do vaso. Adianta? O chão está sempre pingado. Obriguei-o a sentar. Dói no peito ver um homenzarrão acocado igual menina. Foi a única alternativa. Mas sabe o que mais dói? Ele não era assim. Antes da doença esse menino valia ouro. Era obediente, temente a Deus, tirava ótimas notas, tinha tudo para dar certo na vida. Muitas vezes sinto como se toda a culpa fosse minha. Ah, se o senhor soubesse pelo que passei. Até em prostíbulo já fui buscá-lo. Não fosse eu, teria morrido com alguma doença que vem junto com a promiscuidade ou teria sido atropelado. Mas a gente cansa. Quando era mais nova, achava que as funções de mãe tivessem fim, que chegaria um momento em que o filho estivesse pronto para o mundo e as minhas responsabilidades ficariam restritas aos netos, pois o meu menino saberia se cuidar. Às vezes escuto dizerem por aí: a mãe sempre vai tratar o filho como se não tivesse crescido. Tudo o que eu mais queria era poder tratá-lo apenas como adulto. Mas vou ser para sempre mãe de um crianção. Ele não sai na rua sem pedir um sorvete – e se lambuza todo para comer. Passo muita vergonha. Isso mesmo, sinto vergonha desse filho. Deus me perdoe! Queria ter um filho bem sucedido e com uma vida feliz; que tivesse terminado a faculdade e conseguido um emprego bom. Queria que ele tivesse conhecido uma menina decente, se casado e tido filhos. Queria que morasse na sua própria casa e viesse me visitar com os netos. Isso também é pecado, esse desejo mostra o quanto rejeito o filho que tenho. Quando essa amargura ataca o meu coração eu rezo, peço para Nossa Senhora purificar a minha alma e me dar força para mantê-lo nos eixos.

Desculpe, padre, vou ver se ele ainda está ali.

Sim, está sim, graças a Deus. Ele não pode ficar sozinho por muito tempo, o seu caráter é falho. Parece agir sob influência maligna. É assim, sim. Olha o que aconteceu há poucos dias: eu precisava ir ao banco, mas ele não quis me acompanhar, disse estar com muito sono e queria continuar dormindo. Logo desconfiei que tinha alguma coisa errada. Num estalo a Virgem Santíssima me iluminou: ele queria aprontar. Pressionei-o até confessar: o plano era aproveitar a minha saída para ir ao boteco encher a cara. Não é uma maldição? Ele não pode beber por causa dos remédios. Para fazer o que não presta consegue raciocinar direito. Sim, padre, sei sim, ele tem um coração bom – cuida se tomei o remédio para pressão alta e coisa e tal –, mas parece ter se alojado lá dentro algo ruim que o puxa para baixo. Na maior parte do tempo até se comporta, mas preciso ter pulso firme. Quando o meu marido faleceu, precisei virar mãe e pai. É pesado. Hoje parece que… Sábias palavras, padre, sábias palavras! Somente a fé nos fortalece e traz conforto.  

Tudo isso?! Não, me desculpe, é que achei… Claro, claro.  Senhor Jesus Cristo Deus e homem verdadeiro Criador e Redentor meu por serdes vós quem sois sumamente bom e digno de ser amado sobre todas as coisas e porque vos amo e estimo pesa-me Senhor de todo o meu coração de vos ter ofendido pesa-me também de ter perdido o céu e merecido o inferno e proponho firmemente ajudado com os auxílios de vossa divina graça emendar-me e nunca mais vos tornar a ofender espero alcançar o perdão de minhas culpas pela vossa infinita misericórdia Amém.

Ai! Padre, pode fazer um favor? Chama o meu filho para vir aqui me ajudar a levantar. Fiquei muito tempo ajoelhada, as minhas costas, acho que travou o ciático. É o grandalhão gordo, está sentado num dos bancos perto do altar. Obrigada.

 

 

 

 

Anúncios

Um comentário sobre “Ato de contrição

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s